GIRLSPT.COM - Cursores Animados
Just A Love (Ever Niley)
Ali estávamos nós... 3 adolescentes sozinhos por uma semana... eu me perguntava se isso ia dar certo mesmo... ainda mais quando se tem um implicante irmão dentro de casa. O.o.O Oh, God!!

<...>

Demi: Wohoooooooooo!!! Sábadoooo!!! – Confesso seriamente que quase pulei pela janela de susto. Novamente acordei com esse show da Demi... ela invadiu meu quarto e agora começava a pular loucamente na minha cama. Sem forças para falar algo só escondi meu rosto no travesseiro. – Ahhh, qual é! Hoje é sábado, e nada de adultos! A gente devia aproveitar!... Também durante a semana , tipo... nada de escola...
Eu: Demi! Eu estou dormindo...
Demi: Não está mais! Kkk – Falou puxando o travesseiro do meu rosto. Sério, onde ela encontra tanta energia de manhã?? Fui obrigada a levantar senão ela não parava de falar.

Era manhã de sábado ensolarado. Aqueles dias pareciam estar passando mais rápido, e eu gostava disso! Desci as escadas e vi o Taylor sentado encarando duramente algo que tinha no prato dele enquanto Demi cantarolava... Cantava e dançava loucamente no fogão. O.o.O

Eu: O que está acontecendo?
Tay: Eu to tentando descobrir o que é meu café-da-manhã! – Ele falou, ainda olhando para o prato.
Demi: Já falei, panquecas!
Tay: Ah é... não parecem. O.o.O – euri
Demi: Não reclama Taylor, a não ser que prefira ficar com fome os próximos dias.
Tay: To ferrado.
Eu: rsrs Me deixa ajudar com isso, Demi. – Vai que dava algum jeito. O.o.O

Ela concordou, sem nenhuma objeção, o que não fez tanta diferença porque quando terminamos a cozinha precisava de uma limpeza geral... ^^
No almoço, o Taylor achou melhor pedir comida pronta enquanto Demi não se conformava em “trocarmos o que ela cozinhava por comida de restaurante”, como ela dizia.

<...>

Ouvi uma batida na porta. Com toda a vontade que tinha naquele momento me arrastei até a porta para ver quem era. Demi veio me seguindo. Ainda estava elétrica, falando um bilhão de coisas que eu não consegui entender por horas... ta nem tanto tempo assim.  
Abri a porta, e lá estava a menina com uma leve maquiagem no rosto, um jeans e uma blusa branca, e a franja caindo romanticamente pela testa. Selena.


Eu: Selena? – Fiquei surpresa e por um instante Demi parou de falar.
Sel: Oi Miley! Vocês não vão? – Perguntou num tom óbvio.
Demi: Já? Faltam 2 horas pra gente sair...
Sel: How, o Joe combinou comigo que ia pegar o carro do Kevin e passava aqui com o Nick pra pegar a gente... – Ela foi falando enquanto passava pela porta e por nós.
Demi: E ele disse pra você que ia mais cedo? Pra onde vamos? – Eu fechava a porta.
Sel: Ele disse que passaria daqui a 2 horas. Mas vocês precisam escolher uma roupa! Não sei como conseguem deixar pra ultima hora. Rsrs
Eu: Ok, bem pensado! Me ajuda com isso? J
Sel: J Claro, My! Pra isso estou aqui!Já vim preparada! – Ela mostrou uma sacola que até o momento eu não havia reparado.
Eu: O que isso?? – Tentei pegar, mas ela afastou das minhas mãos. Deve ser alguma coisa *perfeita*.
Demi: Ownt... também quero opniões! ^^
Sel: Demi, querida, você não quer, você PRECISA delas. Rsrs – Ela falou com ar superior, com o intuito de tirar Demi do sério por brincadeira.
Demi: Hey!! Peraí, onde nós vamos? – Deu pra ver que a brincadeira da Sel não teve efeito por muito tempo, neah?
Sel: É Surpresaa!
Eu: Você sabe? Qual o problema de sabermos também?
Sel: Assim é mais emocionante! *-* Tenho certeza... que vão gostar!
Eu: Se você diz... – Na verdade eu estava achando isso uma maldade! Mas, eu como não sou curiosa não perguntei! ^^ Mentira! – Ownn diz, vai?? PLEEEAAASE!!! – Implorei um pouquinho.
Sel: Não, Miley!! Kkk Vai ser legal, você vai ver. – Percebi que minhas súplicas seriam em vão. O.o
Eu: Taaaa... Hum... então eu vou logo tomar banho. Você pode me ajudar a  escolher alguma coisa pra eu vestir enquanto isso. ^^
Sel: Aham! – Nós fomos subindo as escadas... muito rápido. Eu ia na frente, Sel atrás e Demi em seguida.
Tay: Vocês não precisam acabar com a escada, tadinha!! – Ele apareceu no primeiro degrau da escada, no sentido contrario ao nosso, sem blusa... caramba, ele não vendo que temos visita?? ¬¬’. Foi falando como se a escada tivesse sentimentos! – Sel? – Não... é uma visão!! Ele perguntou meio sério...talvez esperando pra ver se a Selena que conhecíamos já havia “voltado”.
Sel: Oi T-taylor... J - Parou repentinamente de subir as escadas. Tenho certeza que dessa vez ela não olhou nos olhos! HÁ
Demi: Eeei!! – Demi reclamou, havia esbarrado em Sel.
Sel: Você v-vai também, não é? – Perguntou com certa timidez na voz, porem tentava manter alguma firmeza inexistente. Mas já sabia a resposta.
Tay: Claro, tenho que tomar conta de minhas duas irmãzinhas mais novas e irresponsáveis! ^^
Demi: Não sabia que eu tinha babá! – Demi falou cruzando os braços em desaprovação e nós rimos.
Eu: Vem! – Puxei-a pela mão... mãos geladas.

Eu tomei banho, sem tentar imaginar que eu tinha uma eternidade. Eu sempre fazia isso, o que me levava a horas deixando a água do chuveiro caindo no meu rosto. Desta vez, eu não tinha tanto tempo. Quando saí do banheiro, Sel já estava com roupas escolhidas para mim... e eu podia jurar  que  seria a melhor escolha – ou não.

Eu: O que isso faz na minha cama?
Sel: É o que você vai usar! ^^
Eu: Hum... tem certeza que está bom? Não são cores muito... fortes?? E de quem é essa calça?? – Podia jurar que a cor daquela calça SUPER laranja estava me cegando!
Sel: Claro que não! Cores estão na moda!
Eu: E porque você não usa... cores??
Sel: Ownn... você não gostou? – Uma expressão carente, certamente forçada estava no seu rosto.
Eu: Não, eu.. eu gostei!
Demi: Sel!! Vem cá!! Me ajuda aqui! – Demi apareceu na porta e quase arrastou Sel consigo.
Eu: Ok, vamos lá...

Admito que quando me vesti passei incontáveis minutos olhando no espelho, e não me convenci. Se eu não sei escolher minhas roupas? Claro que sei! Mas a Sel era a melhor de todas, e era sempre divertido fazermos isso juntas, como sempre.  ^^ Troquei a roupa. Algo bem melhor agora. Soltei o cabelo e maquiei levemente o rosto. Estava ótimo assim!



Fui até o quarto da Demi, que já estava pronta... perfeita! *-* Elas conversavam, Sel na cama, Demi numa poltrona.


Sel: Ué... você trocou!
Eu: É, não combinou comigo... – Falei sem graça.
Sel: Ow... escolhi com tanto carinho, e tenho certeza que você ia arrasar com o Nick! Mas, já que você não quer... – Ela falou tristinha. Qual é, já era hora de esquecer isso de calça! ¬¬’
Tay: CHEGOOOU!!!!! – Gritou lá de baixo e nós em um segundo já estávamos lá também. Taylor trancou a porta e nós entramos no carro.
Joe: O que ta fazendo aí, Nick?
Nick: Sentado?
Joe: Não, você tinha que estar no banco de trás...esse lugar aí estava marcado pra Demi. - euri
Nick: ¬¬ - Nick passou para o banco de trás, onde estávamos Taylor, Sel, eu... e agora ele. ^^ (N/A: Lembram ou conhecem aquele carro que é de 7 lugares? Pois é.... )
Demi: Então, aonde vamos?? – Ela perguntou curiosa colocando o cinto.
Sel: Preparada pra diversão??!!
Demi: Acho que...sim?!
Joe: Então vamos!

O tal lugar era um pouco longe dali. Sel ainda fazendo um suspense bobo que eu não entendia, acabou falando que seria impossível nunca termos ido lá. Não descobri onde era, e nem entendi o motivo pra não dizerem logo. Também não tentei adivinhar por muito tempo. Minha atenção ficou presa na mão do Nick, apoiada na perna ao meu lado... por que? Eu não sei. Mas ele tinha alguma música na ponta dos dedos. Como se o mundo não estivesse mais ali ele parecia ter um pensamento distante e os dedos inquietos, ainda de forma discreta, transpareciam o ritmo de alguma música. Todos estavam conversando animadamente no carro, então, quase num sussurro eu tentei acabar com minha curiosidade.

Eu: Em que música você está pensando? – Ele parou de mexer os dedos e me encarou por uns segundos.
Nick: Como sabe que estou pensando em música?? – Perguntou intrigado.
Eu: rsrs... Seus dedos... eles, eles não param. – Falei rindo um pouco tímida.
Nick: Ow.. não tinha percebido... Shhiii! – Ele levou o indicador aos lábios em sinal de silêncio. – Era a música que o Joe cantou aquele dia no shopping, a que ele fez... não conta pra ele, ta bom? – Ele também sussurrou.
Eu: rsrs Não se preocupe! Fica só entre nós.

Eu fiz um gesto como se fechasse minha boca com um zíper e ele sorriu, levemente..... OMG.... Eu podia jurar que amava aquilo, fez-me sentir falta da textura macia daqueles lábios que há dias, para mim séculos, que eu não sentia.
Atordoada por alguns minutos com aquela visão percebi que o carro já havia parado, Taylor já tinha saído e os outros saiam do carro.

Nick: Bom... chegamos! – Revirou os olhos como se aquilo fosse mais uma tortura, me fez rir. Ele saiu do carro e ainda com a porta aberta encenando uma história antiga estendeu a mão para mim, que ainda não tinha saído, nem sequer me mexido! Eu ‘acordei’ do transe, apoiando minha mão na sua com seu toque de veludo.
Eu: Hm... não sabia que sua educação chegava a tal ponto! – Tentei usar uma postura formal ao perguntar, brincando com uma linguagem de época que eu não conhecia muito.
Nick: Percebi que você gostou. J - Ele disse superior enquanto fechava a porta.
Sel: Nossa! Quanto tempo que não venho aqui!!! – Ouvi Sel falar e então nós dois olhamos para a direção que ela estava... estava de frente para a entrada de um lugar conhecido que eu não queria lembrar nem no ultimo segundo da minha vida...
Eu: Onde.... onde estamos? – Eu nutria esperanças de que não fosse aquilo que eu via... podia ser apenas uma fachada, uma encenação, uma brincadeira deles, mas não podia ser verdade.... Num relance percebi o olhar da Demi preocupado na minha direção... Sim, ela sabia que eu não queria estar lá...
Sel: Num parque, não está vendo?! Rsrs Yaayy, eu acho isso tão divertido! ^^

Ela disse num tom bem óbvio.  Não, não podia ser... todas aquelas luzes coloridas não mentiam. Eu não queria entrar lá, eu não podia... eu me sentia mal só de estar em frente ao lugar que para toda criança deveria ser um sonho e para mim era um pesadelo. Era duro demais pra mim, talvez eu não suportasse correr o risco de sentir a dor daquelas lembranças... agora tão fortes. E se acontecesse tudo outra vez? Quem eu perderia agora? Senti meu coração acelerar ao ver todos se dirigirem à entrada... menos Demi, que ainda me encarava recusando-se a ir com o Joe que a puxava pela mão, e o Nick que deu alguns passos mas lembro de ter parado antes mesmo de chegar até Demi.

Sel: Miley? Você não vem? J
Eu: Não... eu não, eu não posso Selena, eu... – não conseguia dizer as palavras certas, embora elas fossem simples. Tentei respirar fundo. – É melhor vocês irem, eu espero aqui.
Demi: Eu fico com você! – Demi correu para mais perto.
Eu: Não, Demi! Não precisa...
Joe: O que foi? – Joe tentou entender.
Sel: Nada de importante. Vamos Miley..!
Eu: Não dá, Selena! Eu quero sair daqui... desculpa, mas eu não consigo! – Eu sentia meus olhos ficarem úmidos e ondas de desespero tomarem conta de mim só de pensar em entrar lá. – Se pra você não tem importância... pra mim é mais do que isso, é mais difícil que você possa imaginar... – Falei baixando o tom de voz gradativamente.
Sel: Miley.... – Ela se aproximou de mim, ficando bem na minha frente, a centímetros de mim. – Eu sei que foi difícil... Mas faz tempo, você precisa esquecer isso! – As palavras eram duras demais aos meus ouvidos, e talvez eu precisasse ouvi-las. Fechei os olhos e abaixei a cabeça, tentando convencer-me daquilo... o que parecia difícil demais. Selena sabia de tudo... uma melhor amiga deveria saber mesmo. Mas ela não parecia se importar, não fazia diferença para ela... ela nunca sentiu tudo  o que eu tive que sentir quando era apenas uma criança...  – Se você não entrar... a Demi vai querer ficar também... o que poderia estragar esta noite, não acha? – Ela sussurrou no meu ouvido para que Demi não ouvisse. Não, eu não queria estragar tudo para a Demi... ela não merecia, talvez eu estivesse sendo egoísta demais e por muito tempo... não sei. Quando abri os olhos vi Sel dar 1 passo para trás e me estender a mão. – Vem... ^^  - Hesitei em ir... não pude evitar pensar duas vezes. Estendi minha mão tremula e segurei a dela tentando sentir alguma confiança... confiança que ela não era capaz de transmitir para mim, não tinha efeito...
Demi: Miley, se você não quiser não precisa... não faz isso, Sel...
Joe: É Miley... se você não gosta a gente pode ir pra outro lugar... eu não sabia... – Ele tentou se desculpar.
Eu: Não precisa, Joe. Ta tudo bem. – Não era verdade, mas eu tinha a esperança de que ficasse tudo bem. Sel começou a andar para dentro do parque, me puxando pela mão... andava de costas, olhando para mim...
Sel: Está vendo? Não é nenhum bicho de 7 cabeças! Rsrs

No começo eu ainda estava assustada, não queria continuar... as luzes começaram a ofuscar minha visão... e no rápido desvio do meu olhar eu via imagens da ultima noite que estive num lugar assim que me faziam querer desistir logo disso tudo. Como eu me divertiria ali? Eu sabia que seria difícil esquecer tudo outra vez depois. E eu lutava contra essas lembranças que vinham à mente.... elas teimavam, mas eu estava fazendo o possível. Já estávamos a uma certa distancia de onde entramos e eu olhei nesta direção... Nick estava atrás de mim, talvez não compreendesse nada. Olhando para o seu rosto... bom, na verdade eu devia ter olhado para onde estava a entrada e  saída, mas seu rosto não permitia que eu a visse... por um instante eu o senti ali, ao meu lado, e lembrei de um sonho... Um sonho que eu nem tinha guardado tão bem na memória, mas naquele instante eu pude ‘revê-lo’. O sonho em que eu via minha mãe... e depois que ela desaparecia ele estava lá... não lembro de como chegou, mas quando me dei conta  ele já estava à minha frente e eu esquecia os flashes de memórias ruins... uma pequena fração da confiança que eu precisava, que eu buscava naquele momento estava com ele. Sorri levemente para ele mesmo que ele não soubesse do que. Sel ainda andava na minha frente olhando para todos os lados enquanto eu sufocava sua mão... rsrs,  ela não reclamava. Eu fui soltando a mão dela ao poucos, vagarosamente. Tentei concentrar-me menos no lugar em que eu estava, tentava me convencer que não aconteceria de novo, tentava esquecer tudo o que havia acontecido... era uma série de tentativas que eu não conseguia completar muito plenamente... na verdade estava longe disso. Mas eu tentei. Para mim estava mais me arriscando! Quando finalmente não estava mais segurando a mão de alguém nervosamente encarei como uma vitória! Suspirei repetidas vezes, como se chegasse de uma maratona. Levantei os olhos e Sel estava olhando para mim, não falou nada, apenas deu um sorriso quase imperceptível.

Sel: Ok, vamos aonde primeiro? – Tudo bem, eu não estava preparada para essa parte ainda, então não dei opiniões.
Tay: Naquele!
Sel: Whooo!! Radicaaaall!! – Achamos engraçado. – Mais alguém vai?
Joe: To nessa!
Demi: Eu prefiro nem chegar perto! Ahh,  Joooe... não morra!
Joe: O.o.O Ok! Vou tentar! – Ele piscou um olho para ela.
Sel: Mas lembre-se, ele não pode evitar que algo aconteça! – Sel fez suspense. Não achei engraçado... apenas não ri.
Demi: Sel!! Só... estou tentando evitar ficar viúva antes de casar. ^^
Sel: rsrs... ok, vamos lá!

Eles saíram e foram no tal brinquedo. Eu me afastei meio que sem perceber. Não podia acreditar que estava ali dentro... dentro do meu pior pesadelo, tentando transformá-lo num sonho... ou em apenas mais uma noite comum. Todo aquele movimento de deixava tonta, então eu evitava ficar olhando para cima.

Demi: Você quer água? – Demi quebrou o silencio que meus pensamentos não faziam.
Eu: aham... – Afirmei com a cabeça.
Demi: Espera só um instante? – Ela falou antes de sair, e como que por impulso eu a segurei pelo braço, quase implorando sem palavras para que ela não saísse. – Ta tudo bem... o Nick fica aqui e eu volto logo. Pode ser? – Eu olhei para o Nick que estava do meu outro lado, então larguei o braço dela, deixando-a ir. Demi saiu, mas eu não me sentia sozinha, e nem estava.
Nick: Você não gosta de parques? – Ele perguntou sem olhar para mim. Ri sem graça antes de responder.
Eu: Não tenho motivos para gostar... – Eu pensei antes. Talvez não fosse a melhor coisa entrar em detalhes. – Mas e você? Não parece se divertir muito...
Nick: Eu juro que to me divertindo bem mais falando com você do que se estivesse em algum desses brinquedos! – Ele falou num tom meio divertido, nada muito exagerado.
Eu: rsrs... Seus pais não te traziam aqui quando você era pequeno? – Eu queria mudar o foco daquela noite... falarmos sobre ele seria bem melhor do que se eu fosse falar de mim naquele momento.
Nick: Na verdade, eu vinha com meu tio aqui. Mas nunca gostei de ir nos brinquedos.
Eu: E o que você fazia? – Perguntei intrigada.
Demi: Aqui! – Demi chegou com duas garrafinhas d’água e me entregou uma. Nick não respondeu a pergunta. Logo os outros voltaram para onde nós estávamos.
Sel: Wow!! Legal! kkk – Ok, ela parecia que tinha bebido alguma coisa!
Tay: Eu nem sei mais se vou voltar a ouvir algum dia na vida!
Demi: rsrs O que aconteceu??
Tay: “Alguém” não parou de gritar um instante. – Ele disse olhando pra Sel.
Sel: Hmm... ok, no próximo ficamos o mais distante possível!
Tay: Ta, não precisa ser tão radical!
Sel: Miley! Você precisa ir em um! – Ela falou divertida.
Eu: Melhor não...
Sel: Ahhh vai ser legal! Uma roda-gigante, que tal? Não faz medo nenhum.! *-* - A questão não era medo do brinquedo. Eu não queria viver tudo de novo, ou reviver coisas parecidas e lembrar a todo instante de coisas que me faziam sofrer, que machucavam... de certa forma, no fundo eu ainda sentia uma certa culpa pelo que aconteceu naquela noite. Talvez você diga: “Roda-gigante? Qual o problema?” Ok, eu respondo. A ultima vez que minha mãe segurou minha mão estávamos na fila para entrar em uma roda-gigante. Romântica para alguns, divertida para outros, sem emoção para outros ainda, mas para mim... uma história ruim, imagens ruins.
Eu: Sel, eu não quero..
Sel: Ta ok, então você vai ficar só olhando?
Eu: É o que estou fazendo!
Joe: Você vai agora? – Perguntou referindo-se à Demi.
Demi: Acho que não... não quero que a My fique sozinha...
Eu: Hey, não precisa deixar de se divertir por causa de mim. Vocês vão, e você também, Demi! Ta bom?
Sel: Então, vamos! ^^

Nós caminhávamos até lá... poderia ser pior agora, ou eu poderia continuar controlando meus pensamentos. Não sei como faria, mas à medida que nos aproximávamos daquele ponto minhas mãos voltavam a ficar frias novamente, e eu tinha vontade de sair dali correndo. O que ainda me prendia ali era a Demi e o que me dava certa confiança era o Nick. Eu tentava lembrar disso. Daquele primeiro abraço que ele me deu, reconfortante, o que eu precisei naquela tarde em que entrei em choque... bom não queria lembrar desta parte.
Quando estávamos bem perto, eu pude ver que era uma parte onde a diversão era mais leve, brinquedos menos radicais... a parte em que haviam mais crianças com seus pais do que só adultos ou adolescentes. Crianças que brincavam correndo de um lado para outro, mais distante outra ganhava um doce de um palhaço... exatamente como aquela noite. Não... eu não queria lembrar! Mas era inevitável! Eu já devia ter aprendido a lidar com isso. Mas talvez o choque tenham sido grande demais para mim. Quem sabe arriscando agora eu não esquecesse um pouco daquilo tudo?

Sel: Olha só... – ela apontava para cima, o alto da roda-gigante. – Legal, né?!

Meus olhos negavam-se a ver. “Não seria nada demais. Não deveria ser!” Eu me convencia, ou pelo menos me esforçava para isso.
Levantei os olhos, quase que obrigatoriamente. Fitei por uns segundos todas aquelas luzes que giravam... Eu não queria pensar em como aquilo poderia ser divertido ou não... queria pensar da forma mais superficial possível para não trazer nenhuma lembrança à tona. Em vão. Metade daquelas lindas luzes coloridas se apagaram num piscar de olhos. O parque à meia luz. Pessoas por todos os lados.  Palhaços, doces, gritos de crianças.... As luzes apagavam e voltavam a ascender como se, numa brincadeira inocente tentasse me assustar. Brincadeira de mal gosto... Tudo começou a ficar escuro aos meus olhos por mais tempo, desaparecendo com aquele cenário e surgindo imagens antigas. Fechei meu olhos, sacudi a cabeça tentando afastar aquilo da minha cabeça, minha respiração estava sem ritmo, e eu podia ouvir batimentos descompassados se tornarem o único som entre um grito distante...
“MÃAAMAAEE!!” “MILEEY!!”

Eu: NÃOO!! Nãooo! Vamos sair daqui!! POR FAVORR!! – Eu levava minhas mãos à cabeça tentando me esconder das lembranças que estavam dentro de mim enquanto o chão parecia fugir dos meus pés.
Sel: O QUE??

“MÃAAE CADÊ VOCÊE???” “Ta falando comigo?”  “Ei menininha!...Qual o seu nome?”
Imagens passavam desordenadas na minha frente. Eu escutava as vozes ecoando, os gritos e sentia as pessoas correrem ao meu redor. Eu um instante eu via imagens passando por mim, onde eu corria exaustivamente mas não chegava num objetivo qualquer. Perdida, sozinha... de longe eu via pela ultima vez o olhar da minha mãe. Ela não tinha como me alcançar, e eu apenas fugia com medo. Minhas mãos, meu corpo inteiro tremia e lágrimas tomavam conta do meu rosto e mãos. Era como reviver tudo. Tudo outra vez. Implorava para sair dali, não controlava plenamente meus movimentos. Procurava o ar que não existia... OUTRA VEZ, NÃO... por favor?...
Por impulso, numa busca desorientada por apoio, tentando descobrir que não estava sozinha desta vez, abracei Sel tentando me livrar das lágrimas que começavam a me afogar... Não sei porque, talvez porque ela era que estava do meu lado desde o instante que insistiu para que eu entrasse. Ela entenderia, eu achava. Não senti um abraço amigável de volta, nada que me ajudasse a esquecer tudo aquilo, nada que me consolasse.

Sel: Miley??!
Demi: Calma, Miley! Ta tudo bem! – Eu ouvia a voz distante da Demi tentando me acalmar de alguma forma.
Eu: ME TIRA DAQUI, por favor... vamos sair daqui!! – Eu quase implorava. E perdida em soluços que agora já eram incontroláveis eu senti as mãos de Sel nos meus ombros, me afastando...
Sel: MILEY! O que isso?? – Ela olhou em meus olhos. – Tudo isso por que tem medo de vir em um parquinho de criança?? – Ela riu cinicamente. E não pude acreditar no que ouvi, parecia surrea,l talvez algo que eu tenha imaginado. Mas não, realmente era a Selena que eu não conhecia.
Demi: Selena! - Demi a repreendeu, eu não a via, nem a mais ninguém. Apenas ouvia sua voz.

Eu não conseguia falar mais nada naquele instante, nada alem de pedir para sairmos de lá. Senti que eu sairia de lá assim como tentei anos atrás... sozinha, correndo de algo, desta vez das imagens que perseguiam meus pensamentos. Virei-me bruscamente e dei de cara com alguém com um olhar preocupado, mas que parecia me compreender de alguma forma que não sei explicar... As lágrimas continuavam a rolar insistentemente e antes que eu pudesse sair dali correndo ele me abraçou... como nunca antes. Ela tinha o que eu precisava... Meu rosto estava escondido no seu peito, molhando sua camisa com minhas lágrimas. Uma de suas mãos afagava meus cabelos enquanto eu chorava descontroladamente, e entre aqueles soluços abafados continuavam a vir imagens angustiantes...

“Você está bem?? Você ta bem??” “Eu vou te ajudar você vai ficar bem!!” “ Eu prometo!!”
Eu via claramente a sombra daquele garotinho, gritando, fazendo promessas fora de alcance. Apenas a sombra. A palheta na minha mão, e então tudo escurecia novamente. Ele parecia tão bem, tão confiante. Eu não lembrava de muita coisa depois... apenas expressões  soltas. 

Nick: Smile! Smile! Calma... eu vou te tirar daqui... ta bom?? – Ele quase sussurrou no meu ouvido, enquanto eu ainda escondia meu rosto. Aquelas palavras... não eram estranhas. Num relance... as palavras do menino no parque se repetiam, e fazia sentido naquelas lembranças...

“Eu vou te tirar daqui!” “...Eu prometo...”
Sim, era como se realmente estivesse tudo se repetindo. A diferença é que o Nick não estava prometendo. Talvez o menino naquela noite pudesse ter me ajudado a sobreviver, a sair de lá. Não sei. Mas será que o Nick conseguiria me salvar de toda essa tortura que eu sinto? Quase impossível. Só o vi fazer uma promessa desde que o conheci. A única.

Nick: Vem comigo? – Ele continuava a sussurrar, seu rosto colava à minha cabeça, aos meus cabelos, sua boca extremamente próxima aos meus ouvidos. Apenas afirmei com a cabeça, sem me afastar dos seus braços. Foi então que levantei me afastei, e ele deslizou as mãos pelos meus braços segurando firmemente as minhas mãos. E então, lembro de ter saído de lá... o máximo que eu podia, o mais rápido que eu queria... mas não sozinha.

*** Demi’s Version ON ***

Nick saiu com Miley de onde nós estávamos. E eu não podia acreditar na Sel. Nessa Selena. Ela jurava uma amizade, e agora fazia isso. Taylor não estava conosco. Joe assustado, sem ação. Selena superior.

Eu: O que você fez, Selena??? – Perguntei incrédula.
Sel: Qual é, nem criança tem medo de roda-gigante! Rs
Eu: Você sabe muito bem o que aconteceu! Ela perdeu a mãe e quase perdeu a própria vida num lugar igual a esse!Você deveria saber como deve ter doído, ou como deve fazer falta pra ela até hoje! How... me desculpe! Você não pode saber, sua mãe nunca ligou mesmo pra você... foi como se ela nunca tivesse existido!
Sel: Demi... eu só acho que já faz tempo...
Eu: Se faz tempo? Selena... aquele foi O PIOR dia da vida dela, e até hoje ela não superou tudo...
Sel: Bom... já deveria ter superado. – Ela disse dando de ombros e cruzando os braços.
Eu: Eu não acredito... quer saber?? – Encarei-a - Se você ta fazendo isso por causa do Nick, a Miley não ta se importando. Você só está machucando ela mais ainda e ta afastando suas melhores amigas. Continua com esse seu joguinho, Sel, por que eu não agüento mais. E quando terminar, me avise! - Eu saí de perto dela, com passos firmes. Sabia que tinha falado o que queria, o que era necessário.
Joe: Demi!! – Joe tentou me chamar, mas eu ignorei e continuei andando. Agora eu ia para quem precisava de mim.

*** Demi’s Version OFF***

Estávamos em uma praça, pequena, ali próxima, atrás de uns prédios. Algum tempo já se passara, eu ainda tentava controlar aquelas emoções, o susto... agora parecia conseguir... Estávamos em silencio, ele sentado no banco, eu com a cabeça apoiada no seu colo. A sombra de uma árvore impedia que a pouca iluminação nos alcançasse, então eu não via muita coisa alem de sua silhueta. Quando finalmente não existiam mais soluços e as lágrimas enxugavam eu vi que era a hora de quebrar o silencio.

Eu: Obrigada, Nick...:)
Nick: J ... – Ele sorriu como que suspirando – Pelo que?
Eu: Por ter ficado comigo... eu nem sei direito por que tudo isso acontece ainda, eu... não sei como evitar... sabe... – Pensei 2 vezes, tomei fôlego, mas achei que não importava. – ... esquece.   
Nick: Hey... só posso esquecer depois que eu souber! – Ele já havia dito isso uma vez, e eu admito que era pressão psicológica.
Eu:... – Ri fraco - ... rsrs... hum... A última vez que vi minha mãe foi num parque desse. Depois nunca mais. Eu nunca consegui esquecer “aquela ultima vez”. Toda vez que vejo algo parecido, lembro e então fico apavorada. Desde aquele dia não entrei em nenhum parque de diversões. Rs... Eu não sei porque ainda tem que ser assim... – admiti meio confusa comigo mesma.
Nick: Eu também não gosto muito.
Eu:...sério? Porque? – Perguntei com curiosidade... ele ficou calado por uns segundos, respirou fundo mudando o olhar de direção e então eu achei que não devia ter feito tal pergunta. – Quer dizer... só se você quiser contar...
Nick: Eu quero. – Interrompeu-me com um tom decidido na voz, embora um pouco baixo. – Eu também costumava vir a parques. Mas enquanto o Joe e o Kevin só queriam saber dos brinquedos eu vinha com outro objetivo. Vinha com meu tio, ele trabalhava dentro do parque. Gostava de fazer músicas no improviso, criava letras em um segundo ou dois e as pessoas se divertiam em ouvi-lo... Minha família dizia que ele podia tocar em lugares melhores, e com o que sabia ganhar mais dinheiro. Mas eu sabia que ele não estava atrás disso, e eu me impressionava com seu amor pelo que fazia... rs... foi assim que me envolvi tanto com a música, ele começou a me ensinar bastante coisa...
Eu: Suspeitei. Rsrs...
Nick: rsrs... Então eu vinha aos fins de semana com ele. Numa noite algo deu errado. Eu não entendia bem o que era, mas vi de repente as luzes queimarem,faíscas de energia,  as pessoas corriam de um lado para o outro, tinham gritos... – De uma forma distante eu sentia que aquela história era familiar... parecia muito com algo que eu lembrava e me assustava. Então aquela noite que eu estive não foi a única? Houveram outras iguais...? – Estava tudo fora de controle, eu perguntava ao meu tio o que estava acontecendo e ele não saia me dizer, mas tínhamos que sair logo de lá. Vi a polícia chegando, ouvimos tiros longe... e sabe, quando estávamos saindo de lá às pressas eu vi alguém se machucar... quer dizer, eu não vi bem o que aconteceu, mas corri para ver. Quando me joelhei próximo percebi o brilho dos olhos de uma garotinha sumirem...
Ele deu uma pausa, grande pausa. Eu precisava de alguns segundos... parecia que eu não conseguia assimilar o que ele falava. Como assim...? Eu tentava realmente entender como a versão de uma história parecia ser apenas outro ponto de vista do meu pesadelo. Se surgiu a hipótese de que na noite dos meus pesadelos ele estava no mesmo lugar que eu? Claro que surgiu, e era isso que eu não queria acreditar, ou achava muito impossível. Naqueles minutos, eu parecia ser a telespectadora de uma história e ao mesmo tempo uma personagem... tentei juntar aquelas peças, mas elas pareciam não se encaixar. Ele continuou contando...

Nick: Eu devia ter 9 anos, e também gostava de revista em quadrinhos, dos super-heróis e tudo isso... rsrs. Às vezes fingia que era um, num mundo imaginário só meu. – Ele sorria ao lembrar. – Enquanto eu via os olhos daquela menina fecharem, me senti na obrigação de ajudá-la, se salva-la dali, igual meu personagens favoritos faziam nas histórias. E eu prometi a ela que faria isso. Eu falei “Eu prometo que vou te tirar daqui!”.
Eu: Foi o que você falou pra mim... – Pensei alto e ele me encarou rapidamente. - ... agora! Eu falo de agora, antes de sairmos do parque.
Nick: Ahh... é, acho que sim. – Eu não podia acreditar. Não, não podia ser. Eram as palavras que eu lembrava... não lembro quem disse, ou a ordem delas, mas ficaram guardadas em alguma parte de mim e eu nunca pude, e nem quis, apagá-las. Eu queria acreditar, com tudo aquilo, de que até naquela noite marcada em mim, o Nick estava lá comigo e até agora nós apenas não sabíamos. Mas as coincidências pareciam ser grandes demais, até para uma teoria do ‘destino’. – Mas eu era só outra criança... não sei o que poderia ter feito ainda, mas eu acreditava que a vida dela dependia muito de mim, afinal ninguém mais ali parecia se importar. Meu tio gritava comigo, me chamando para sairmos de lá o mais rápido. Eu não consegui ver o rosto dela claramente, a iluminação desses lugares já é pouca, ainda mais naquela confusão toda. Eu tinha na minha mão uma palheta de violão... meu tio tinha me dado alguns dias atrás, e eu não a largava por nada. Tinha minha inicial gravada, e uma correntinha fina que eu colocava no pescoço quando não estava tocando. Não sei bem por que fiz isso... mas coloquei a palheta na mão dela  e a  fechei. Com algum cuidado pra que depois não caísse... talvez eu achasse que era algum tipo de objeto que a protegeria, eu não lembro bem... rs. E então, eu só lembro que meu tio me puxou pelo braço, me tirando de lá. Eu ainda tentei avisá-lo, mas ele não quis ouvir. Eu não cumpri minha promessa, nunca mais vi aquela menina.... talvez se tivesse visto não reconheceria. Talvez ela não esteja mais viva... não a vi depois nos anúncios do jornais, e desisti de procurar. Mas, quem sabe, se eu tivesse cumprido minha promessa naquela hora ela estivesse bem hoje... tenho certeza que ela fechou os olhos naquele instante confiando que alguém a ajudaria...

Eu não conseguia pronunciar sequer uma palavra. Minhas memórias estavam abaladas, eu não conseguia acreditar ainda em tudo aquilo. Sim, era ele que estava lá. Agora eu tinha a mais plena certeza. A palheta ainda estava comigo até hoje... com a inicial “N” que eu nunca entendi. Eu estava assustada e qualquer coisa que eu pensasse se negava a ser pronunciado... ficamos num silencio por um tempo, ele segurava parcialmente a testa com uma das mãos. Meu coração acelerou ao ouvir tudo aquilo... algo que nunca esperei ouvir. Então quer dizer que estávamos juntos aquela noite.... e ele já tentou salvar minha vida... “era só uma criança”, sim. E tentou. Talvez se ele não tivesse ficado perto por uns minutos teria sido pior, não sei. Ele deixou claro que não sabia se a menina estava viva... eu tinha a mais louca vontade de pular nos seus braços e dizer que eu estava ali, sim, estava bem.... Que ele não tinha por que se culpar. Mas eu estava confusa, e tive medo de falar algo, afinal ele parecia se culpar por supostamente “não ter conseguido ajudar em nada”. Juntar todo aquele quebra cabeça, todas aquelas peças que estavam perdidas estava exigindo muito de mim, e eu não tinha forças para isso. Não conseguia organizar meus pensamentos nem com o objetivo de convencê-lo que só por estar lá naquela hora, se importando comigo, para mim hoje já era o suficiente...

Eu: T-tenho certeza... que ela está bem.... – Meus olhos tinham lágrimas que escorriam pelas laterais do meu rosto ainda apoiado no seu colo.
Nick: Ela devia estar confiando em mim naquela hora... Como vou saber se ficou bem, se nunca mais a encontrei? – Ele falava calmamente, escolhendo como falar. – Lembra da música que você me ouvia cantar? Era sobre ela... Eu nunca a ouvi falar, mas era como se a cada dia eu escutasse sua voz ecoando na minha cabeça, pedindo por ajuda, ou até me culpando... com razão, claro.

Sim, fazia o máximo de sentido. “Eu preciso te encontrar. Eu vou te encontrar” “Você pode estar não tão longe. Você é a voz que eu escuto na minha cabeça. a razão de eu estar cantando.” “Você é a peça perdida que eu preciso. A música dentro de mim”
Eu lembrava cada expressão ouvida... a melodia por traz daquelas palavras. Então, aquela não era mais uma música de amor... era o som que me tocava profundamente... um ímã aos meu ouvidos desde o inicio. Todo esse tempo eu era a razão daquelas palavras? Tudo ficou tão claro, as respostas vieram quando eu menos as procurava... quando eu tinha desistido de encontrá-las e elas não pareciam mais tão importantes. Eu não podia acreditar... todo esse tempo ele cantou a mesma música... até hoje se culpa por tudo aquilo. Era essa a culpa que um dia ele escreveu em um bilhete amassado jogado no chão do quarto??? (Capítulo 39 - Clique para ler)

Nick: Sabe aquela vez que você falou que eu “não era tão chato”? rs... – Eu afirmei com a cabeça, meus olhos nem sequer piscavam. – Acho que foi o meio que eu encontrei de não me envolver tanto com alguém. Talvez não pudesse  cumprir com nada que prometesse... não confiaria em mim mesmo, como poderia passar essa confiança para alguém? Não poderia prometer estar ao lado de alguém sempre que ela precisasse.... nunca seria capaz de prometer isso. – Ele falava com o olhar perdido, parecia raciocinar sozinho, pensar alto... Meus olhos deviam brilhar com lágrimas que eu tentava impedir que escorregassem. Até que uma delas deslizou pelo meu rosto, molhando uma de suas mãos ao meu lado. – Você... você ta chorando?
Eu: Eu? Não... – Tentei virar o rosto, escondendo meus olhos. O que ele achava que não seria capaz de fazer, ele já fazia e nem sabia: Estava ao meu lado quando eu precisava, me passava confiança. -  Então... você não promete nada pra ninguém?
Nick: Não...
Eu: Mas você disse “Eu prometo!” quando eu pedi pra você não ‘brincar’ comigo...com o que eu sentisse... – Tive receio das palavras que deveria usar. Não estava cobrando aquela promessa, apenas tentava entender. (Capítulo 59 - Clique para ler)
Nick: É.. foi!rsrs...  Talvez por que... porque eu não consiga mesmo fazer isso com você.

Eu sorri discretamente, mas por dentro não podia conter a perfeita sensação de ouvir aquela frase. Entre linhas... ou claramente, ele estava confirmando que era real e que não brincaria com os meus sentimentos... se ele não tentava mudar de direção cada momento em que nos envolvíamos de alguma forma era por que ele sentia o mesmo, ou pelo menos algo parecido. Em vez de mudar o sentido para que não acontecesse de novo, ele fazia com que cada momento, cada beijo ou olhar fossem envolventes e ainda se repetissem.
Eu estava confusa, não sabia em que pensar primeiro, em como organizar tudo aquilo na minha mente... apenas agi quase por impulso. Levantei a cabeça do colo dele e falei bem próximo do seu rosto...

Eu: Eu também não... rsrs

Não percebi o quanto estávamos próximos até sentir o doce sabor dos seus lábios, eram macios e eu sei que era o que eu mais queria sentir agora... ele deslizava levemente os dedos pelo meu rosto até chegar ao meu queixo. Mantinhas meus olhos fechados, apenas sentindo as ondas de calafrios que queriam tomar conta do meu corpo, essas mesmas que eu sentia falta...


Nos afastamos apenas alguns centímetros , ele deixou a mão cair de segurar meu queixo e eu sorri antes de abrir os olhos... ainda estávamos muito perto e eu não tinha outra visão a não ser do seu olhar que em um determinado instante se desviou para algum ponto atrás de mim...

Nick: Hum... algo me diz que aquela pessoa encostada numa árvore olhando pra cá seja a Demi... – Ele arqueou uma sobrancelha *-* e eu olhei para trás rapidamente.
Eu: Droga... é ela! – Escondi meu rosto em seu ombro e nós rimos. Voltei a olhar pra trás e a chamei fazendo um sinal. Ela veio quase correndo e sentou ao meu lado. – Há quanto tempo você ta aí??
Demi: O suficiente pra ver que você já está bem! Rsrs – Ela achou graça e eu corei, certamente.
Eu: É, acho que sim... onde estão os outros?
Demi: Joe veio atrás de mim, e falei pra ele ir buscar o carro para ir pra casa... você que ir agora?
Eu: How.. acho que... sim! – Falei sem jeito.

< ... >

Alguns minutos depois o Joe chegou ali próximo e nós fomos para casa. Eu ia no banco de trás com o Nick, ele com o braço ao redor dos meus ombros e eu com a cabeça encostada nele e de olhos fechados, pensando sobre tudo o que tinha acontecido aquela noite, coisas que eu não poderia imaginar que poderiam se repetir, com apenas um desfecho diferente... melhor e menos doloroso que da primeira vez. Não perguntei sobre Sel, e Taylor deve ter ficado com ela. Demi e o Joe dirigindo também não falavam muito, mas já sabiam que tudo estava ficando bem outra vez... ou pelo menos boa parte de tudo.

****************************************

~>Ok, guys! Eu decidi não dividir o capítulo... sorry por ter ficado tão grande! Vou dar um tempo pra vcs lerem. Tbem por ter demorado tanto a postar, passei cerca de 6 dias escrevendo no total. #MeuRecorHA Parey/ Espero que tenham gostado, aproveitado bastante a leitura, e até o próximo cap.! ^^ (Vou divulgar os blogs antes do próximo post, aguardem. Não tive tempo de conhecer todos ainda e gosto de fazer isso antes de divulgar pra saber do que falam, ok? )

~> Respondendo:
  • Tetê: Brigada amr! Ah, e a Sel aprontou muito, né? O.o.O
  • Niley: Foi como eu disse essa semana no Twitter... lembra da música “6 Minutes” dos Jonas? O Nick cantava assim: “Eu gostaria de estar nas rádios. Eu cantaria a música favorita dela, ela estaria na primeira fila de todos os shows”. A Miley uma vez falou que a música favorita dela é Before The Storm e o Nick??.... Continua cantando nos shows a música favorita dela ( e dele tbem! ^^) HÁ NILEY ♥ / kkk Não, a Sel não é exatamente do mal... você vai ver. / Brigadaa!
  • Bianca Niley: Não foi a 1ª, mas veio! Kkk Brigada por sempre ler e gostar. Rsrs Niley
  • Pam: Ownt *-* Brigadaaa!! Mesmo, mesmo!O casal mais perfeita  inspira, não? Rsrs
  • New Histories: AHHHH Vc voltou! Que bom!! Ownn... vc nem disse o q aconteceu com o seu blog Vida de Famoso L / Bom, eu não conheço o Sdney Sheldon...Pq? Qual livro ele escreveu? Eu gosto muito da Jane Austen *-* / Que bom que gostou! ^^ E pode deixar que divulgo o blog sim com todo prazer! Ahh, apareci! Kkkk
  • Baby mc: Vai ser mesmo uma cena cômica! Kkkk Ahh, e eu to me atrasando na leitura do Hate That I Love... Oh God, só escrevendo tava sem tempo pra ler tudo, mas to amando o BTS, como sempre PERFECT! ^^
  • Sofia: O que ela tinha na noite da praia ela explica depois.. babay... muita coisa pra ser explicada ainda, né? Isso me deixa ansiosa! *-* kkkk / Brigada amr e nos vemos depois!
  • Paulinha: Vc tava com vontade de matar o Nick? OMG PLEEEASE por tudo q é mais sagrado não faz isso!!! NICK / Ahh minha migah que agora ficou mais ocupada que eu! Aparece tbem no MSN! Kkkkk Saudds
  • Gabrielly Potter: Brigada amr! *-* Fico muito feliz de saber que gosta tanto.
  • Tércia: Migahh.... não foi a ultima kkkk Ahh, vc sabe que o suspense não foi culpa minha, faz parte.... brigada por me ajudar quando fico em duvida dos acontecimentos... mesmo que precise perder o começo da aula pra isso! kkk Sorry por isso, o prof quase não liberou hj. Enfim, sim lembra nós conversando, as vezes a Paulinha tbem, as vezes a Jessik.... kkk baseio algumas coisas na realidade. HÁ
  • Tay:kkkkkkkk Euri muit quando li “SELRNA DOIDOONNA!” É dorgas? #medo Mas concordo que ela foi má dessa vez, tipo... ela sabia onde iam e o que tinha acontecido com a Miley, neah... / Selena sofrendo ameaças de morte Again! Kkk / Migah c ta mesmo sumida! Mas ainda bem que não deixou de vir aki *-* Brigadaa!
  • L@ra: SURE! Divulgo sim  baby! ^^ ... e thank’s soooo MUUCH! *-*
  • Júliaah: Divulgo sim, flr! E bigada por tudo!
xoxoxo

Marcadores: | edit post
Está: 
16 Responses
  1. Niley Says:

    Primeiro coment.. aeee, finalmente!!! hahaha,

    adorei o capitulo.... perfeito como sempre, hehe

    pois é née?? isso ainda termina em casamento... #torcendo
    hahhaha

    beijos
    Niley


  2. Pam:) Says:

    UAU OMG e todas as outras espressoeszinhas que eu nao me lembro agora KKK` ok ja deu ne?
    Bom ficou mesmo lindo d+ ta muito mais que perfeitooo tanto que nem tenho palavras o suficiente pra elogiar!
    Liii tudinho...bom mas posso dzer com toda a certeza que é sim a melhor fic que eu ja li!
    Como voce diz suspeiteidesdeoinicio rsrsrsrs...
    MARAVILHOSO!

    Beijos
    Postaa Logooo!
    Pam :D


  3. Bianca Niley Says:

    OWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWNT EU AMEEI, AMEI MUUUUUUITO MESMO, o capítulo ficou grande mais não ficou nem um pouco cansativo, ficou PERFEITO eu amei, até que em fim esses dois ela descobriu que foi o Nick quem a ajudou. Ownt *-* e a Sel começou a colocar as asinhas pra fora Hum...
    Mais ficou perfeito valeu a demora, está incrível, você realmente tem dom pra escrever, e a sua fic me me deixa feliz, me faz lembrar de Niley e ter esperanças. Obrigada!!
    Ameeei, como sempre PERFEIITO acho que eu já disse isso neh, mais está INCRÍVEL *---*


  4. Baby Mc Says:

    AMEI DE MAISSSS
    Tava tãooo perfeitooo.
    mas eu to com muita raiva da Selena,puta falta de sacanagem o que ela fez!
    Po!Até calça reestart!
    haha,mas ta perfa de mais,mau podia esperar pra eles se beijarem de novo e aconteceu *-*
    A Miley vai contar pro Nick que era ela a garotinhaaa?
    Ai,to curiosa,posta logoo,ok?
    bjss


  5. Sobre meus blogs terem parado foi por causa de uma idiota crise de adolescente (bobeira =S). Mas eu resolvi voltar, pq eu não posso perder essa oportunidade de divulgar minhas historias/fatofatofato.

    Falando do Sidney, ele foi considerado o melhor escritor do mundo! Uma dos livros dele foi "A Senhora do Jogo" eu li e adorei, alem de um milhão de outros! E a maioria das protagonistas são mulheres, ele era feminista e eu achei isso tinteressante!
    Jane Austen!, legal, vou conhecer, adoro tudo quanto é tipo de escritores, exceto a Stephaneis Mayer/numseicomoescreve!

    E o cap, vou tive que tirar um bom momento para ler ele completo! Vc é animada hein! Adoreeey, ficou muuuito bem escrito!

    Valeu por poder divulgar o blog, eu sei que eu sou chata para PQP/ não tenta descobrir o que quer dizer, plis!
    Bom, tô indo,eee... POr acaso vc viajou? Tipo, SuMiU!
    Sei que vc vai demorar um pouco para postar! Mas como é por impulso..
    POSTA LOGO!
    XOXOXOXOXOOX (BEIOS&ABRAÇOS) =)


  6. teté Says:

    Altos papos sobre Niley einh?!??!
    Tá LINDO,LINDO,LINDO!!valeu por TODA espera!!


  7. Cah Says:

    Nossa ficou PERFEITO esse cap.
    amei amei amei, sua fic é d+!!
    tadinha da Miley, chase chorei em algumas partes, e a Selena??se revelo a malvada!! kkk
    ficou incrivel mesmo...
    bjs.


  8. Eu adoreii tanto esse capitulo, estava muito ansciosa pelo mesmo, quando li chorei, foi tão emocionante, muito bom mesmo


  9. Caah Says:

    OOWWNT! AMEEII *--*mtu mtu mtu perfeitooo!fiko longo, mais lindo d+ d+!
    cheguei atrasada no inglês pq fikei lendo, + tdu beem! valeu a pena!
    NILEEY ♥ falando nisso, qual o problema da Sel? O.o.O
    anyway, é isso! taah MARAVILHOSO o capitulo, adoorei que a Miles finalmente descubriuu!
    Sera que ela vai contar pron Nick? #duvida
    quero mais Niley e Jemi!hsaushuasua
    + serioo, tah lindo d+, AMEII, parabéns!
    Posta Logo, to ansiosa *--* rsrs
    bjbj


  10. Sofia Says:

    Tem sim mta coisa pra ser explicada, e essa do nick já é o começo. Eu tava pensando como seria a reação do nick quando soubesse q era a miley no parque.

    Se as explicações TE deixam ansiosa, imagina eu!To roendo minhas unhas curtissimas (por causa do violão). Daqui a poko tah na carne viva. o.o

    Sorry demorar pra comentá é q eu to mto sem tempo.

    Posta logo!!!

    Quero ler mais!
    Bjos.

    Ps: achei a Sel mto insensivel! vo bate nela. kkkk'


  11. Rafa_Jonas Says:

    OMG! meu primeiro comentário depois de taaanto tempo lendo sua história, meu deus que vergonha AUSHAUHS !!

    Então , eu vim aqui pra combinar uma coisa com você ;D

    Eu tenho um lugar onde posto histórias e eu adoro a sua, e se você deixar postarei ela no lugar onde eu postos as minhas e darei seus créditos contando com indicação de site. Depois se você quiser conferir, pode ir ! Eu te passo o site e garanto que você não vai precisar se preocupar ;) Seu site com certeza fará mais sucesso do que já faz, mas como, plágio é crime eu preciso que você concorde com isso *-* Já fiz isso com outras histórias e elas ficaram cada vez mais famosas eu prometo que com certeza as chances de isso acontecer com você é enorme!

    muito obrigada *-* & parabéns eu amooooooo muito sua história, chego até a chorar hahah!

    beijonas :*


  12. Anônimo Says:

    ficou muito lindo ! parabens mesmo, voce devia se tornar escritora(se vc ja nao for) de verdade, eu sou fascinada pela sua historia ! ficou muito lindo meeeesmo ! (Thais)


  13. Paulinha Says:

    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH *-*


  14. Paulinha Says:

    que perfeiiito *-* amiiiiiiga incrivel incrivel incrivel aaaaaaaaaaaaaah *-* tava mt show amiga chorey mimim sahusha
    amiiga que saudades
    que saudades do seu cap
    saudades de falar ctg
    saudades de indoidar ctg
    saudades de te incorajar a não pular da janela
    mais vc me abadono mimimÇÇ shausah
    tento mais pula da janela naum ne amiga?
    eu sei que ta dificil da gente se fala .-. tbm ne final do ano se recuperando do ano fazendo porvas trabalho vc que ja ta termimando e dificil .-.
    amiiga esse cao ta incrivel o melhorque vc ja escreveu aaaah vc e incrivel e sabe disso ne aaaaaaaah a vaca da demolena --'
    aaaaaah amiiga man que saudades ><
    sahusha saudades de ser a primeira ><
    amiiiiga AAHHH quando a miley vai contar pro niick qu ee a chikita do coração dele *O*
    sahsau
    tiipo sem palavras para descrever esse cap ><
    amiiiiiiiga >< aaaaaaaaah so fui tempo de ler hj D: MINHA rotiima da mt foooda çç' ><
    beijoamiiga
    agente se fala depois


  15. Paulinha Says:

    PSSSS: eu vo matar a demolena U_U


  16. Paulinha Says:

    PS: aah amiiga como es eu tivesse corajem de matar o nick *_* sahusah